13.12.2022

Precisa-se de energia e haverá empregos no setor, mas para mulheres e negros?

As energias solar, eólica, hidrelétrica e de biomassa – consideradas renováveis – possuem um grande potencial de geração de empregos, que devem incluir os grupos sociais minorizados

Escrito por
Tatiane Matheus
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de uma vista aérea de painéis solares em um campo, aproveitando a energia renovável do sol.
Foto:
Andreas Gucklhorn/ Unsplash

O sétimo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU visa assegurar o acesso universal, moderno e com preços acessíveis a serviços de energia até 2030 –aumentando a participação de energias renováveis na matriz energética global e dobrando a taxa global de melhoria da eficiência energética. Para isso, será necessária uma transição energética para matrizes mais limpas, como a solar e a eólica. Se a meta for alcançada, será que ela virá acompanhada de justiça climática, levando em conta questões de gênero e raça?

O primeiro desafio brasileiro é enfrentar a elevação dos preços. A fatura de energia elétrica aumentou quase quatro vezes, entre 2000 e 2019, de acordo com o website da campanha #EnergiaCaraÉSujeira. Uma parcela expressiva da população, praticamente metade das famílias do país, está gastando quase 50% ou até mais do que ganham para pagar as contas de luz e de gás. Pela falta de recursos, muitos estão usando lenha para cozinhar. Aliás, o pronome mais adequado é "elas". Pela cultura do cuidado, as mulheres são as responsáveis pelas tarefas domésticas, em sua maioria, o que aumenta o risco à saúde delas e das suas crianças, que ficam vulneráveis a doenças pulmonares, acidentes graves com queimaduras e até mesmo a riscos de morte.

Outra barreira para conseguir chegar à meta da ONU é que, apesar de 99,05% dos brasileiros terem acesso ao Sistema Interligado Nacional (SIN) – que é o conjunto de instalações e equipamentos que abastecem o país com energia elétrica – ainda há muitas regiões remotas que não possuem nenhum acesso, de acordo com o Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA). Do total de pessoas sem acesso à energia elétrica, 86% estão concentradas na região Norte do país. De acordo com outro estudo do IEMA, 21,5% das pessoas que não têm acesso à energia elétrica estão em assentamentos rurais, 6%, em áreas de Unidades de Conservação (UCs), 7,9% são populações indígenas, e 0,3% são quilombolas.

Em relação às empresas do setor elétrico, pesquisa realizada pela consultoria Bravo GRC, a pedido do Valor Econômico, mostra que há apenas 12,76% de mulheres em cargos de diretoria. Quando o recorte é racial, só 8,18% dos cargos de diretoria dessas empresas são ocupados por negros, embora eles representem 54% da população brasileira, e as mulheres, 51,1%, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As energias solar, eólica, hidrelétrica e de biomassa – consideradas renováveis – possuem um grande potencial de geração de empregos. A previsão é de até 42 milhões de empregos, em escala global, até 2050, segundo a Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA). Entretanto, seguindo o cenário atual de renováveis, as mulheres atualmente ocupam apenas 32% dos empregos relacionados às energias renováveis no mundo, de acordo com a IRENA. No Brasil, elas ainda são a minoria e, no setor solar, também representam apenas 32%.

O governo tampouco colabora, pois o Plano Decenal de Expansão de Energia 2030 (PDE) – instrumento do governo de planejamento de longo prazo para o setor –, mesmo tendo um capítulo dedicado à análise socioambiental, nada fala sobre questões de gênero e raça. De acordo com a pesquisadora do International Energy Initiative (IEI) Brasil Izana Ribeiro – entrevistada pelo Clima Sem Fake – há lacunas importantes e ausência de um diagnóstico multidisciplinar com indicadores e análises de ordem sociológica e antropológica, incluindo questões de gênero e suas interseccionalidades (raça, classe, etnia, territórios etc.).

A cientista ambiental Natália Chaves, da Rede Brasileira de Mulheres na Energia Solar (Rede MESol), em entrevista ao ClimaInfo, destaca a importância de apoiar oportunidades para o avanço da mulher (no setor). Segundo ela, a atual falta de paridade de gênero em posições institucionais pode levar a impactos sociais prejudiciais. Isso sem contar o esforço adicional para vencer o preconceito e o machismo estrutural. Pesquisa realizada pela MeSol mostrou que 64% das profissionais do setor já ouviram comentários sexistas, e 49% já sofreram discriminação no ambiente de trabalho por ser mulher.

Conseguir alcançar a sétima meta dessa agenda global inclui, direta e indiretamente, alcançar outros objetivos, como o quinto (Igualdade de Gênero), o décimo (Redução das Desigualdades) e o décimo-terceiro (Ação contra a Mudança Climática Global), por estarem relacionados à diversificação e à transição energética. Todas as metas, sem exceção, devem ser perseguidas com a incorporação da justiça climática.

Soluções devem se adaptar às necessidades de cada região. Algumas já existem, como a do projeto Revolusolar, de energia solar nas Comunidades Morro da Babilônia e Chapéu Mangueira, no Rio de Janeiro. De acordo com a proposta de outro projeto, o Nordeste Potência, as políticas públicas precisam ajudar a aumentar a participação das mulheres na força de trabalho. Entre as ações necessárias estão: legislação de igualdade salarial; políticas que proporcionem equilíbrio entre vida profissional e pessoal para todos os funcionários – como licenças maternidade e paternidade e jornada em tempo parcial; e acesso a programas de educação e treinamento, por meio de cursos de nível técnico e superior, com estágios e bolsas direcionados.

Demanda por energia existe; soluções também. Entretanto, para vir com justiça ambiental e climática – logo, social –, serão necessárias ações afirmativas que incluam mulheres e pessoas não-brancas para que tenham a formação necessária para lograr essas vagas de trabalho, para que a transição energética seja realmente justa.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Tatiane Matheus
Tatiane Matheus
Jornalista e pesquisadora sobre Justiça Climática e Racismo Ambiental.
fotografado por
Tatiane Matheus
voltar ao topo