1.12.2023

Perdas e Danos, tema discutido há décadas, ganha destaque no início da COP28

Países mais vulneráveis receberão 420 milhões de dólares para se adaptar às mudanças climáticas

Escrito por
Luana Neves
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Salão de eventos com abertura da COP28 e pessoas em pé
Foto:
Christopher Pike/ UNFCCC
Abertura formal da COP28, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, na Expo City Dubai

O primeiro dia da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP28, realizada em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, foi marcado pelo valor destinado para o fundo que tem o objetivo de contribuir financeiramente com os países mais afetados pelo aquecimento global.

Os Emirados Árabes foram os primeiros a anunciar a contribuição no valor de 100 milhões de dólares. Já a União Europeia anunciou o aporte de 225 milhões de dólares, incluindo 100 milhões prometidos pela Alemanha. 

Enquanto isso, o Reino Unido irá contribuir com 75 milhões de dólares. Por fim, os Estados Unidos e o Japão seguiram com valores menores de 17 milhões de dólares e 10 milhões dólares, respectivamente. Ao total, o Fundo de Perdas e Danos receberá 420 milhões de dólares – novos aportes podem ser feitos para aumentar a disponibilidade de recursos. 

"Felicito as partes por esta decisão histórica. É um sinal positivo para o mundo e para o nosso trabalho", declarou o Sultan Al Jaber, presidente da COP28

"Obter uma decisão logo na abertura da COP28 – algo inédito na história das COPs – reforça que é no multilateralismo que vamos encontrar as soluções", disse o embaixador e negociador-chefe do Brasil, André Aranha Corrêa do Lago.

Primeiros passos 

A notícia é positiva, mas o valor não é o suficiente para cobrir as necessidades dos países mais pobres relacionadas às mudanças climáticas. Além do fundo, o apoio para a transição energética justa e para projetos de adaptação são estimados em mais de 1 trilhão de dólares ao ano. 

Há mais de 30 anos se busca uma solução para mitigar os efeitos do aquecimento global em regiões mais vulneráveis à crise climática. 

Na última Conferência do Clima, a COP27, sediada no Egito, o Fundo de Perdas e Danos também foi destaque. O termo é usado para descrever os impactos extremos e, em muitos casos, irreversíveis das mudanças climáticas em populações vulneráveis em todo o mundo. 

Um exemplo tangível desse impacto são as emissões por habitante dos EUA, que chegam a 17,6 toneladas de dióxido de carbono ao ano. Ao mesmo tempo, no Brasil o valor cai para 6,9 toneladas. 

Isso faz com que o impacto causado por nações poluentes seja maior, porém as perdas são enfrentadas por regiões mais pobres e com menor responsabilidade pela crise climática.

As chuvas torrenciais deste ano que atingiram a cidade de Derna, na Líbia, mostraram essa desproporção entre as consequências das condições climáticas em países com menos emissões de gases de efeito estufa. 

A parte leste do país ficou submersa depois de passar por uma inundação, resultado das condições climáticas adversas. Até agora, mais de 5.000 pessoas morreram e 10.000 estão desaparecidas.

Apesar de o continente africano ser responsável por menos de 10% das emissões globais de gases de efeito estufa, mais de 110 milhões de pessoas foram afetadas pelas condições meteorológicas e climáticas em 2022, resultando em prejuízos que ultrapassaram os 8,5 bilhões de dólares.

Compensação histórica

O Acordo de Paris, firmado em 2015, ressalta a importância de prevenir, minimizar e lidar com perdas e danos relacionados aos efeitos climáticos extremos. No entanto, o acordo não obriga nenhum país a participar de fundos.

Por isso, durante a COP27, os países responsáveis pela crise climática se comprometeram a bancar as consequências causadas por eventos extremos nos países em desenvolvimento. 

Atualmente, as nações mais ricas, como os Estados Unidos, o Japão e a União Europeia, são os principais emissores de gases poluentes. Um relatório feito pela organização sem fins lucrativos Oxfam mostrou que a poluição gerada por bilionários é um milhão de vezes maior do que a média da poluição das pessoas que não estão entre os 10% mais ricos do mundo.

A diretora executiva da Lancet Countdown, Marina Romanello, destaca que caso a origem de emissões de gases de efeito estufa, que levou à criação do fundo, não seja interrompida, o dinheiro será insuficiente para compensar as nações mais pobres. 

"Os planos atuais de expansão da produção de petróleo e gás vão levar ao aumento das perdas e danos e transformarão esses compromissos valiosos em contribuições insignificantes em um mundo de danos insuportáveis”, afirmou.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Luana Neves
Luana Neves
É estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e estagiária no Nosso Impacto
fotografado por
Luana Neves
voltar ao topo