12.9.2023

Parceria entre USP e Embrapa cria técnica inovadora que quantifica mercúrio em questão de segundos

O modelo para detecção do mercúrio usa um instrumento capaz de quantificar rapidamente elementos químicos com pouca ou nenhuma preparação no material investigado

Escrito por
Samantha Prado
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de uma vista aérea de uma grande mina a céu aberto.
Foto:
Divulgação/ Polícia Federal
A Polícia Federal deflagrou operação para combater a extração ilegal de ouro e crimes ambientais no Pará.

O mercúrio é um metal extremamente tóxico. Apesar disso, o material é muito usado em garimpos para dissolver partículas de ouro que estão misturadas com pedras e areia. 

Ao ser aquecido, a evaporação deixa o ouro como resíduo e gera grandes quantidades de vapor tóxico – estima-se que 650 a 1.000 toneladas por ano, ou um terço do total de emissões do metal. A contribuição brasileira é estimada em 10 a 30 toneladas por ano.

Apesar de tamanha gravidade na relação entre esse metal e o meio ambiente, medir a contaminação por mercúrio onde sua concentração é baixa ainda é um desafio.

Esse cenário levou a uma união entre pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na criação de um novo método para quantificar mercúrio em amostras ambientais. 

Os pesquisadores desenvolveram um modelo inédito de ajuste para a espectroscopia de emissão de plasma induzida por laser (Libs), instrumento capaz de quantificar rapidamente elementos químicos com pouca ou nenhuma preparação no material investigado. 

Dessa forma, a análise consegue ser feita em menos de cinco minutos. Além de detectar vários elementos ao mesmo tempo, o modelo demanda apenas energia elétrica para operar. Com uma lâmpada de vida útil aproximada de quatro anos, o instrumento permite verificar mais de mil amostras por dia.

O artigo com os resultados da pesquisa foi coordenado por Paulino Ribeiro Villas-Boas, pesquisador da Embrapa Instrumentação, e publicado no Journal of Analytical Atomic Spectrometry.

Os participantes do estudo afirmam que o método é versátil e poderá ser testado também em peixes e outros produtos alimentícios. “Pode ser uma amostra líquida, sólida ou gasosa, embora a experiência que temos seja o trabalho com sólidos”, diz Carlos Renato Menegatti, professor da Escola de Engenharia de Lorena (EEL) da USP.

Em 2023, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelou que a mineração em terras indígenas na Amazônia Legal aumentou 1.217% nos últimos 35 anos. Quase a totalidade dessas áreas de garimpo ilegal, cerca de 95%, está concentrada em três terras indígenas: Kayapó, seguida pela Munduruku e a Yanomami.

Os cientistas também constataram que o garimpo tem causado aumento da concentração de mercúrio em peixes amazônicos - cerca de 21% acima do permitido de substância tóxica ao organismo humano. 

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Samantha Prado
Samantha Prado
Samantha é caiçara, jornalista e colaboradora freelancer.
fotografado por
Samantha Prado
voltar ao topo