9.10.2023

O papel das juventudes no enfrentamento às mudanças climáticas

Cinco anos após a primeira greve de Greta Thunberg, o lugar conquistado pelos mais novos é inquestionável e, cada vez mais, eles ocupam diferentes espaços de tomada de decisão

Escrito por
Sabrina Brito
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de uma criança que segura um cartaz que diz "Salve nosso planeta".
Foto:
Jonne Roriz/ Nosso Impacto
Protesto de jovens em Glasgow, na Escócia, durante a COP-26.

Em agosto de 2018, a ativista sueca Greta Thunberg, então com 15 anos, matou aula pela primeira vez em uma sexta-feira para protestar contra a falta de ação para enfrentar a mudança do clima. A ação foi o início de uma série de manifestações, lideradas por jovens, que levaram milhões de pessoas às ruas.

À época, a figura de Greta dividiu opiniões. De um lado, aqueles que prontamente reconheceram a importância do movimento que estava nascendo. De outro, figuras, em sua maioria adultas, que tentaram reduzi-la ao estereótipo de adolescente histérica.

Cinco anos depois, a soma de discursos, eventos internacionais, multidões nas ruas e novos grupos que se formaram comprova a importância do efeito Greta pelo mundo.  Contudo, em 2020, a pandemia de coronavírus impôs o isolamento social e uma nova dinâmica se consolidou. Se os protestos nas ruas diminuíram, a mobilização em outros espaços de tomada de decisão ganhou força.

Mão na massa

Um exemplo da evolução do ativismo jovem é o primeiro caso judicial climático apresentado ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos movido por seis jovens de 11 a 24 anos contra 32 países da Europa. A acusação consiste no fracasso dessas nações em enfrentar a mudança climática, e o objetivo principal é que o tribunal as obrigue a intensificar as ações contra o aquecimento global.

Na mesma toada, um grupo de jovens do estado de Montana, nos Estados Unidos, ganhou um processo ligado ao meio ambiente em junho deste ano. O tribunal entendeu que a falha do estado em considerar a mudança climática ao aprovar projetos de uso de combustíveis fósseis era inconstitucional.

No Brasil, outras iniciativas tomaram forma. No município de Matão, em São Paulo, foi criado o Parlamento Jovem. O Parlamento abrange pessoas da 5ª à 9ª série do Ensino Fundamental, de 1ª a 3ª série do Ensino Médio.

Desde a criação do Parlamento Jovem, 13 projetos de lei apresentados ali se tornaram políticas públicas municipais. Um exemplo é a implementação de hortas comunitárias nas escolas. Como consequência, a iniciativa ficou em segundo lugar no concurso SDG Action Awards, da ONU, responsável por premiar programas que têm relação com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Para o articulador nacional da organização de lideranças jovens Engajamundo, João Pedro Ferreira Santos, de 17 anos, a juventude desempenha um papel vital ao reimaginar os caminhos para um ativismo mais efetivo na luta contra as mudanças climáticas.

“Os jovens podem influenciar positivamente a conscientização global. Ao focar em soluções práticas e colaborativas, podemos construir pontes entre gerações e mostrar que o ativismo juvenil não apenas alerta sobre os desafios, mas nos permite ter esperança sobre um futuro sustentável, em vez de um cenário apocalíptico”, disse Santos.

Ainda no Brasil, a pesquisa Juventudes, Meio Ambiente e Mudanças Climáticas ouviu 5.150 pessoas com idades entre 15 e 29 anos em diferentes regiões do país entre julho e novembro de 2022.

De acordo com o levantamento, o meio ambiente é considerado a sexta prioridade dos jovens. Ainda, 90% dos entrevistados afirmaram se preocupar “totalmente” (50%) ou “mais ou menos” (40%) com questões ambientais.

Para a ativista da organização gaúcha Eco pelo Clima, Renata Padilha, há uma herança ingrata que cairá na conta das gerações mais novas. "As crianças e as juventudes de hoje são as que menos contribuíram para o cenário caótico em que nos encontramos e as que mais estão e continuarão sentindo os impactos da crise climática”, disse.

Como parte da geração que lutou pelo seu espaço, Padilha vê o potencial da atuação das juventudes de forma muito prática. Ela destaca o caso do Rio Grande do Sul, onde o movimento Eco pelo Clima reuniu mais de 400 pessoas em uma audiência pública na Assembleia Legislativa do estado para debater emergência climática.

“Foi a primeira vez na história que o tema foi discutido. Dessa audiência, saiu o primeiro Fórum Popular Gaúcho sobre Mudanças Climáticas. Dentro desse espaço, construímos mobilizações por um decreto de emergência climática estadual e por transição energética justa. A audiência pública, liderada pela juventude climática, construiu algo inédito no Rio Grande do Sul e possui um potencial gigantesco de transformação", disse. 

Vozes globais

Como resultado da ação dos jovens nos últimos anos, a COP-27, realizada em 2022, teve, pela primeira vez, um dia específico na agenda da conferência para o debate sobre as juventudes no contexto da mudança do clima. Agora, a expectativa é pela COP-28, que acontecerá em novembro nos Emirados Árabes Unidos.

Em entrevista ao site da ONU, a ativista brasileira Paloma Costa afirmou que é preciso ir além das declarações, pois estas frequentemente “não são respeitadas”. Para ela, a juventude tem um papel único para que o mundo consiga cumprir o Acordo de Paris e evitar que o aquecimento global ultrapasse 1,5ºC até o final deste século.

“O reconhecimento dos jovens na luta contra a crise climática é superimportante, mas agora o objetivo é tentar transformar esse reconhecimento em ações tangíveis. O próximo passo envolve uma maior inclusão dos jovens nas tomadas de decisão.”

Para Santos, do Engajamundo, “é necessário manter um projeto de educação ambiental, caminhar em direção a um modelo de produção e consumo sustentáveis e cobrar a implementação efetiva de políticas climáticas. A colaboração intergeracional e internacional também é vital para abordar a complexidade global das mudanças climáticas”.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Sabrina Brito
Sabrina Brito
Jornalista formada pela ECA-USP e graduanda em Direito pela PUC-SP
fotografado por
Sabrina Brito
voltar ao topo