31.8.2023

Índice brasileiro analisa fatores socioambientais para direcionar políticas públicas para o desenvolvimento sustentável

Chamado de Sevi, o índice contribui para subsidiar programas como o Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima e outros projetos dedicados à recuperação de áreas degradadas

Escrito por
Samantha Prado
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de uma mulher e um cachorro sentados na margem de um rio.
Foto:
Wilson Dias/Agência Brasil
Mulher lava roupa no rio Parnaíba.

Ao unir indicadores socioeconômicos, físicos e ambientais, cientistas brasileiros criaram um índice que revela diferentes graus de vulnerabilidade socioambiental conforme as particularidades de cada região. Chamado de Índice de Vulnerabilidade Socioambiental (Sevi), a abordagem foi utilizada em análises das bacias dos rios Parnaíba e São Francisco, ambas no Nordeste.

O estudo demonstrou que problemas ligados ao desenvolvimento sustentável precisam considerar características específicas de cada região. Dessa forma, os cientistas avaliaram que o Sevi contribui para subsidiar programas como o Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima (PNA) e outros projetos de governo voltados à recuperação de áreas degradadas. 

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Sustainability por cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). 

Algumas das conclusões incluem o entendimento de que, na região do Parnaíba, o principal obstáculo para problemas socioambientais é o déficit de renda e de condições para o desenvolvimento humano; no São Francisco, o problema gira em torno de questões de densidade populacional, degradação de solo e clima. 

A pesquisa teve apoio da FAPESP e do projeto Forests 2020, que é parte do International Academic Partnership Program (IAPP), da Agência Espacial do Reino Unido, reunindo especialistas em monitoramento florestal de diversos países.

Para a bióloga Rita Marcia da Silva Pinto Vieira, primeira autora do trabalho, o índice permitiu consolidar a ideia de que sustentabilidade não se relaciona somente com o clima, fatores ambientais e degradação do solo, mas inclui um componente humano e de biodiversidade que não deve ser ignorado. 

Caatinga e Cerrado na mira do Sevi 

As bacias analisadas pelo Sevi estão nos biomas da Caatinga e do Cerrado, dois dos ecossistemas mais ameaçados no Brasil e que precisam do redirecionamento de políticas públicas para preservar a biodiversidade e as fontes de renda da população. 

A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e, por isso, é considerada um dos ecossistemas mais ameaçados do planeta. Apesar do clima semiárido, a região apresenta vida animal e vegetal diversificada: ela abriga mais de 5.000 espécies de plantas e diversas espécies endêmicas da região.  

A principal fonte de renda da Caatinga é a pecuária, mas a maioria da população é de pequenos agricultores que vivem com a venda de produtos típicos do bioma, como umbu, licuri, caju e o maracujá-da-caatinga. 

Os baixos investimentos na preservação do bioma e as desigualdades sociais aumentaram a vulnerabilidade das poucas áreas protegidas. Segundo um mapeamento da Universidade Federal do Ceará (UFC), nem 8% da Caatinga é preservada legalmente. Ao utilizar o Sevi, o estudo indica que a adoção de sistemas agrícolas diversificados e sustentáveis poderia melhorar a resiliência das culturas locais e aumentar o bem-estar dos pequenos agricultores.

Já o Cerrado é reconhecidamente o bioma mais ameaçado do país. Em 2023, a região vem batendo recordes de desmatamento. Segundo dados do Inpe, no primeiro semestre do ano os alertas de devastação cresceram 21%, o que tem impacto direto na biodiversidade e na geração de riqueza na região. 

Com mais de 330.000 espécies de plantas e animais, o Cerrado abriga 30% da biodiversidade brasileira. Atualmente, são duas as principais ameaças: a monocultura intensiva de grãos e a pecuária extensiva de baixa tecnologia. O uso de técnicas de aproveitamento intensivo dos solos provoca o esgotamento dos recursos locais, o que também foi apontado pelos pesquisadores ao utilizarem o índice na região. 

Previsões do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre) apontam que o crescimento do agronegócio deve ser o maior em seis anos, impulsionado pela monocultura de soja e milho. Também neste ano, grandes propriedades concentraram 48% do desmatamento ocorrido dentro de áreas privadas no bioma, como foi registrado pelo Sistema de Alerta de Desmatamento do Cerrado

“Recentemente, foram observados aumentos na produção agrícola - principalmente soja, milho e cana-de-açúcar - levando à intensificação do desmatamento nos biomas Cerrado e Caatinga, e associados ao aumento das taxas de erosão do solo observadas na bacia do rio São Francisco”, apontou o trabalho. 

Apesar do estudo ter se debruçado sobre esses dois biomas, pesquisadores responsáveis pelo Sevi acreditam que o método pode contribuir para diversos outros ambientes através da análise de suas peculiaridades.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Samantha Prado
Samantha Prado
Samantha é caiçara, jornalista e colaboradora freelancer.
fotografado por
Samantha Prado
voltar ao topo