4.12.2023

Fundo global contra o desmatamento é proposto pelo Brasil durante a COP28

A proposta, anunciada pelo presidente Lula, prevê o pagamento a 80 países para manter florestas em pé

Escrito por
Luana Neves
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Líderes globais reunidos no palco da COP28, em Dubai, com o presidente Lula no centro da imagem
Foto:
Stuart Wilson/ UNFCCC
Presidente Lula e a ministra Marina Silva ao lado de sultão Al Jaber, líder da COP28, em Dubai

O Brasil chegou à COP28, em Dubai, com um número importante para mostrar ao mundo: a redução do desmatamento da Mata Atlântica em 59% nos oito primeiros meses de 2023. Agora que os olhos da diplomacia internacional estão voltados para as florestas, uma proposta feita pelo país é a solução para impedir que o aquecimento global atinja níveis superiores a 1,5ºC até 2100. 

Cerca de 10% da superfície do planeta é coberta por florestas tropicais, responsáveis por estabilizar o clima da Terra. Ainda assim, as grandes ações voltadas para a preservação parecem não ganhar aderência entre os países, refletindo no contínuo descaso com o meio ambiente. 

O desmatamento na Amazônia entre agosto de 2021 e julho de 2022 alcançou quase 11,6 mil km², área equivalente a todo o território do Catar. Além disso, nos primeiros três anos do governo Bolsonaro ocorreu uma alta de 73,3%, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo

Durante a COP28, evento da ONU que reúne líderes globais para avançar em formas de frear o aquecimento global, o presidente Lula falou sobre o financiamento de um fundo destinado às florestas que ainda restam no mundo.

Atualmente, o Brasil, a República Democrática do Congo e a Indonésia são as nações que têm as maiores florestas tropicais do planeta. Com o manejo sustentável, essas áreas podem ser determinantes para a forma como a sociedade irá lidar com a crise climática. 

Proteção florestal

A ideia do projeto é que estes países, que contam com florestas tropicais em seus territórios, recebam um valor fixo anual por hectare conservado ou restaurado. A meta inicial é arrecadar 250 bilhões de dólares, com origem em fundos soberanos.

De acordo com a proposta, a cada hectare preservado, o país receberá 25 dólares. Por sua vez, para cada hectare desmatado uma penalidade equivalente a 100 hectares - ou 2,5 mil dólares - será aplicada. 

“Há 20 anos, eu jamais imaginaria viver o que estamos vivendo hoje. Estamos vendo a coisa piorando, nos sentindo cada vez mais impotentes. A resposta a isso tem que ser uma ação na direção contrária, efetiva e rigorosa”, afirmou o ministro Haddad durante o lançamento da proposta.

Os países elegíveis para ter acesso ao fundo devem manter o desmatamento abaixo da taxa determinada e apresentar uma tendência decrescente de desmatamento. Eles também devem estabelecer processos transparentes para distribuir os recursos e adotar métodos confiáveis para medir a cobertura florestal.

Ao mesmo tempo que o tema parece ganhar espaço na agenda do governo, é também uma contradição de Lula. O presidente confirmou que irá integrar a lista da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (OPEP+). Segundo ele, a ideia é influenciar o grupo a procurar outras fontes renováveis de investimento.

Para o embaixador e negociador-chefe do Brasil na cúpula do clima, André Corrêa do Lago, o projeto se assemelha ao "Fundo Amazônia Internacional", criado em 2008 com o objetivo de captar doações internacionais para financiar ações voltadas para a preservação da Amazônia. 

A iniciativa proposta na COP recebeu um retorno positivo de nações como a Noruega e os Emirados Árabes, que contam com um grande aporte financeiro nos seus fundos soberanos. Contudo, o projeto ainda está sendo estruturado e tem prazo para ficar pronto até a COP30, daqui a dois anos, que ocorrerá em Belém.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Luana Neves
Luana Neves
É estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e estagiária no Nosso Impacto
fotografado por
Luana Neves
voltar ao topo