16.11.2023

Florestas têm potencial enorme para armazenar carbono, contanto que emissões sejam reduzidas

Estudo destaca a importância da conservação, restauração e gestão sustentável das florestas para alcançar metas internacionais de clima e biodiversidade.

Escrito por
Da redação
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de floresta com árvores de cores variadas.
Foto:
Peter Rüegg/ Divulgação
Floresta temperada na Suíça.

Uma nova pesquisa sugere que uma estimativa realista do potencial adicional global de armazenamento de carbono florestal é de aproximadamente 226 gigatoneladas de carbono – o suficiente para contribuir significativamente o para a mitigação das alterações climáticas.

O estudo, publicado na revista Nature, destaca a importância crítica da conservação, restauração e gestão sustentável das florestas na evolução em direção às metas internacionais em matéria de clima e biodiversidade. A pesquisa envolveu centenas de cientistas de todo o mundo, que afirmam que este potencial pode ser alcançado incentivando esforços comunitários para promover a biodiversidade.

O potencial de armazenamento de carbono florestal tem sido um tema altamente controverso. Há quatro anos, um estudo publicado na revista Science descobriu que a restauração das florestas poderia capturar mais de 200 gigatoneladas de carbono, o que poderia retirar cerca de 30% do excesso de carbono antropogênico da atmosfera. Uma gigatonelada equivale a 1 bilhão de toneladas métricas.

Embora esses resultados tenham levantado uma discussão sobre o papel da natureza no combate às alterações climáticas, o estudo também mostrou preocupações em torno dos impactos ambientais adversos das plantações de árvores em massa, dos esquemas de compensação de carbono e do greenwashing. Alguns estudos científicos apoiaram a escala desta descoberta, enquanto outros argumentaram que a estimativa de carbono florestal poderia ser quatro ou cinco vezes maior.

Para abordar este tema controverso, uma equipa internacional liderada pelo Crowther Lab da ETH Zurich, incluindo o ecologista florestal da Universidade de Michigan, Peter Reich, construiu uma avaliação integrada utilizando uma gama abrangente de abordagens, incluindo dados terrestres e conjuntos de dados de satélite.

O papel das florestas saudáveis

Devido ao desmatamento e à degradação contínuos, a quantidade total de carbono armazenado nas florestas é cerca de 328 gigatoneladas abaixo do seu estado natural. É claro que grande parte desta área é utilizada para o desenvolvimento humano extensivo, incluindo terrenos urbanos e agrícolas.

No entanto, fora dessas áreas, os investigadores descobriram que as florestas poderiam capturar aproximadamente 226 gigatoneladas de carbono em regiões com baixa ocupação humana, se fosse possível recuperá-las.

Cerca de 61% deste potencial pode ser alcançado através da proteção das florestas existentes, para que possam se recuperar até a maturidade. Os restantes 39% podem ser alcançados através da reconexão de paisagens florestais fragmentadas através da gestão e restauração sustentável de ecossistemas.

"A maior parte das florestas do mundo está altamente degradada. Na verdade, muitas pessoas nunca estiveram em uma das poucas florestas antigas que ainda existem na Terra", disse Lidong Mo, principal autor do estudo. “Para restaurar a biodiversidade global, acabar com o desmatamento deve ser uma prioridade máxima.”

O conjunto de dados revelou que a biodiversidade é responsável por cerca de metade da produtividade florestal global. Como tal, os investigadores destacaram que, para atingir todo o potencial de carbono, os esforços de restauração devem incluir uma diversidade natural de espécies. Além disso, as práticas agrícolas, florestais e de restauração sustentáveis que promovem a biodiversidade têm o maior potencial de captura de carbono.

“A promoção de florestas diversificadas nos ajudará a maximizar o seu potencial para eliminar o dióxido de carbono do ar e armazená-lo nos troncos das árvores e no solo”, disse Reich, da U-M, diretor do Instituto de Biologia das Mudanças Globais da Escola de Meio Ambiente e Sustentabilidade. Reich é coautor do novo estudo e fez parte do grupo central de organização e redação.

Inclusão para a conservação

Os autores do estudo enfatizam que a restauração responsável é um empreendimento fundamentalmente social. Inclui inúmeras ações como conservação, regeneração natural, renaturalização, silvicultura, agrossilvicultura e todos os outros esforços conduzidos por comunidades para promover a biodiversidade. Requer um desenvolvimento equitativo, impulsionado por políticas que priorizem os direitos das comunidades locais e dos povos indígenas.

“Precisamos redefinir o que a restauração significa para muitas pessoas”, disse Thomas Crowther, autor sênior do artigo e professor da ETH Zurique. "A restauração não se trata de plantações em massa de árvores para compensar as emissões de carbono. A restauração significa direcionar o fluxo de riqueza para milhões de comunidades locais, populações indígenas e agricultores que promovem a biodiversidade em todo o mundo. Somente quando a biodiversidade saudável for a escolha preferida para as comunidades locais é que poderemos obter captura de carbono a longo prazo como subproduto."

Os pesquisadores concluíram que a restauração florestal ecologicamente responsável não inclui a conversão de outros ecossistemas que não conteriam naturalmente florestas.

“A restauração global não envolve apenas árvores”, disse Constantin Zohner, pesquisador sênior da ETH Zurique. “Temos que proteger a biodiversidade natural em todos os ecossistemas, incluindo pastagens, turfeiras e zonas húmidas, que são igualmente essenciais para a vida na Terra.”

O novo estudo traz à luz a importância crítica das florestas naturais e diversas na contribuição para 30% do potencial de redução de carbono. No entanto, as florestas não podem substituir a redução das emissões de combustíveis fósseis. Se as emissões continuarem a aumentar, alerta o estudo, então períodos de estiagem, tempestades, incêndios e o aquecimento continuarão a ameaçar as florestas e limitarão a sua capacidade de absorver carbono.

"O meu maior receio é que as empresas utilizem indevidamente esta informação como desculpa para evitar a redução das emissões de combustíveis fósseis. Quanto mais emitimos, mais ameaçamos a natureza e as pessoas. Não pode haver escolha entre reduzir as emissões e proteger a natureza, porque precisamos urgentemente de ambos Precisamos da natureza para o clima e precisamos de ação climática para a natureza”, disse Crowther.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Da redação
Da redação
O Nosso Impacto é uma plataforma de comunicação sobre a relação das pessoas com o meio ambiente.
fotografado por
Da redação
voltar ao topo