17.9.2023

A meta climática brasileira no discurso de Lula na Assembleia Geral da ONU

Presidente brasileiro deve reafirmar política climática do Brasil ao falar pela oitava vez frente a líderes mundiais em Nova York

Escrito por
Sabrina Brito
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de Assembleia Geral da ONU em que líderes mundiais estão reunidos para discutir questões globais.
Foto:
UN Photo/ Loey Felipe
A plenária da Assembleia Geral da ONU em Nova York, nos Estados Unidos.

No próximo dia 19, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará o discurso de abertura da 78ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, seguido do presidente norte-americano, Joe Biden.

Na oitava vez em que Lula abrirá a solenidade, o chefe de Estado brasileiro deverá, entre outras coisas, anunciar a correção da Contribuição Nacionalmente Determinada, a NDC brasileira, que foi alterada sob a gestão Jair Bolsonaro em 2020.

Em 2015, foi assinado o Acordo de Paris, tratado em que se estabeleceu o objetivo de evitar que a temperatura média do planeta aumente mais de 1,5ºC até o final do século, em comparação com os níveis pré-industriais.

Assim, cada país signatário se comprometeu com a imposição de metas de redução da emissão de gases de efeito estufa, denominadas Contribuição Nacionalmente Determinada (ou NDC, na sigla em inglês).

No caso do Brasil, a NDC de 2015 determinou que o país deve diminuir suas emissões em 37% até 2025 e em 43% até 2030, tendo como base os níveis registrados em 2005.

No entanto, três anos atrás, o então ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles apresentou à Convenção do Clima da ONU propostas menos ambiciosas do que as que foram publicadas em 2015, o que era vedado pelo Acordo de Paris. A manobra usou como referência o Terceiro Inventário Nacional, que estabelecia um grau de emissões muito maior no ano de 2005.

Assim, menos medidas precisariam ser tomadas para se alcançar as porcentagens definidas para a diminuição de emissões de gases de efeito estufa, o que representaria uma diferença de 400 milhões de toneladas de CO2. A partir disso, a estratégia ficou conhecida como "pedalada climática".

Agora, em resolução aprovada no último dia 14, o Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima determinou o ajuste da NDC.

De forma prática, o Ministério das Relações Exteriores tem que comunicar a Comissão-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima a correção da NDC, retornando às ambições apresentadas em 2015. Com isso, argumenta-se, o Brasil estará alinhado ao Acordo de Paris.

Em junho, no Dia Mundial do Meio Ambiente, Lula já havia anunciado a intenção de cancelar a manobra de Ricardo Salles e renovar esforços a favor da elaboração de uma nova NDC.

Agora, porém, a ideia ganha fôlego, ainda contando com a criação de um grupo de trabalho para atualizar o Plano Clima, responsável pela implementação da nova meta climática brasileira.

O anúncio reforçará a importância da participação do Brasil na Assembleia Geral da ONU, que hoje reúne 193 países. Tradicionalmente, o chefe do Executivo brasileiro é encarregado de abrir a sessão, dando o primeiro discurso na porção da sessão conhecida como Debate Geral.

Em Nova York, Lula deve ter encontros com Joe Biden, com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, com o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, entre outros líderes globais.

A 78ª Sessão da Assembleia Geral tem como tema “reconstruir a confiança e reavivar a solidariedade global, acelerando a Agenda 2030 e seus objetivos de desenvolvimento sustentável rumo à paz, à prosperidade, ao progresso e à sustentabilidade para todos”.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Sabrina Brito
Sabrina Brito
Jornalista formada pela ECA-USP e graduanda em Direito pela PUC-SP
fotografado por
Sabrina Brito
voltar ao topo