1.8.2023

Tecnologias nacionais para reutilizar água e revestir fruta podem impulsionar agricultura familiar no semiárido, mostra relatório

Reúso de água doméstica e conservação de frutas com uso de biofilme são apontadas como soluções de baixo custo com potencial

Escrito por
Agência Bori
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de pessoas carregando cestas de abacaxis em um campo.
Foto:
David Theodoro Junghans/ Embrapa Mandioca e Fruticultura
Colheita de abacaxi no semiárido da Bahia.

O reúso das chamadas “águas cinzas” e a utilização de biofilme para revestir alimentos com base em tecnologias brasileiras podem solucionar dois grandes desafios da agricultura familiar no semiárido: a falta de recursos hídricos nas plantações e a perda de frutas e verduras depois da colheita.

A constatação é de relatório lançado na segunda (24) pela World-Transforming Technologies (WTT), em parceria com a Bori. A WTT é uma fundação sem fins lucrativos criada para promover a inovação como ferramenta para a superação de desafios sociais e ambientais.

Para encontrar possíveis soluções tecnológicas de custo baixo e de fácil acesso para a agricultura familiar no semiárido brasileiro, o relatório mapeou — com a ajuda da Bori — publicações científicas recentes de universidades como as federais Rural de Pernambuco e de Campina Grande. Isso foi feito a partir de palavras-chave específicas em bases de informações científicas como a Web of Science. Também foram consultados acadêmicos, pesquisadores, extensionistas rurais e ONGs que atuam na região.

Para enfrentar a falta de recursos hídricos do semiárido, foram mapeadas 23 tecnologias de reuso de água cinza — água residual doméstica, por exemplo, das pias de cozinha –, com potencial de solução na agricultura familiar do semiárido. Tiveram destaque o sistema de Bioágua Familiar (formado por componentes como filtro biológico, tanque de reuso e sistema de irrigação) e de Reúso de Águas Cinzas (com caixa de gordura, filtro físico e tanque de reúso).

Já para o enfrentamento da perda pós-colheita foram mapeadas seis tecnologias, como radiação de frutas e refrigeração — ambas de alto custo. Aqui, destacou-se, então, o desenvolvimento de revestimentos ativos baseados em biopolímeros para as frutas, com fácil aplicação, baixo custo e flexibilidade para uso em diferentes cultivares. São uma espécie de cobertura biodegradável, que pode estender a vida útil das frutas, reduzindo significativamente as perdas pós-colheita.

“A principal contribuição do relatório é trazer um relato de experiência de colaboração científica participativa, ou seja, da contribuição para a ciência e para a população por uma agricultura mais ecológica e integrada”, informa Gaston Santi Kremer, coordenador de Programas da WTT. “Levantamos as demandas dos territórios e conversamos com muitos agricultores, organizações sociais e pesquisadores”, acrescenta.

Olhar para tecnologias sociais com potencial para agricultura familiar — que, segundo o Censo Agro, do IBGE, corresponde a 77% dos estabelecimentos de agricultura — é importante. De acordo com relatório, muitas tecnologias de beneficiamento da produção requerem altos investimentos e são regulamentadas por uma legislação complexa, fora da realidade da agricultura familiar. Outro ponto relatado pelo documento é a utilização de insumos regionais, com prioridade para produtos típicos do bioma da caatinga.

Os autores do relatório acreditam que a ciência brasileira tem potencial de instigar práticas que vão aperfeiçoar a geração de renda de pequenos agricultores, com impactos na segurança alimentar de todo o país. Dessa forma, é necessário promover transformações nos sistemas agroalimentares que gerem segurança alimentar e nutricional para toda a população, conservem os diferentes ecossistemas e garantam renda para milhões de pessoas, especialmente as mais vulneráveis.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Agência Bori
Agência Bori
A Bori é um serviço para a imprensa que conecta a ciência brasileira a jornalistas de todas as áreas de cobertura
fotografado por
Agência Bori
voltar ao topo