3.2.2024

Cidades sustentáveis: iniciativas de impacto socioambiental são destaque em municípios do Brasil

Ações implementadas em centros urbanos se destacam em rankings que medem o desempenho em práticas ambientais

Escrito por
Luana Neves
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Cidade sustentável
Foto:
Nerea Martí Sesarino/ Unsplash
O termo 'cidades inteligentes' une sustentabilidade e tecnologia no planejamento urbano.

Gerar energia elétrica para a população através de aterros sanitários é um exemplo de abordagem sustentável na adaptação das cidades aos desafios de um mundo cada vez mais quente. Essa iniciativa faz parte do movimento das 'cidades inteligentes', conhecidas por unirem sustentabilidade e tecnologia no planejamento urbano.

Com cada vez mais pessoas vivendo nestes espaços – estima-se que, até 2050, dois terços da população mundial viverão nas cidades –, pensar em como desenvolver os centros urbanos promovendo a preservação do meio ambiente é essencial, principalmente em um contexto marcado pela necessidade de adaptação às mudanças climáticas. 

No Brasil, cidades de Norte a Sul estão sendo destaque por adotarem medidas criativas de desenvolvimento urbano adequadas aos limites do planeta e que contribuem para uma melhor qualidade de vida das pessoas.

O Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades (IDSC) é uma forma de avaliar os mais de cinco mil municípios brasileiros em cada um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Na última edição, realizada em 2023, a ferramenta mostrou que, das cem cidades mais bem posicionadas no recorte de meio ambiente, 51 estão na região Sudeste, 24 na região Sul, 12 na região Centro-Oeste, 12 na região Nordeste e apenas uma na região Norte. Foram avaliados aspectos relacionados à infraestrutura e acesso a serviços de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto e recuperação de resíduos sólidos.

Confira alguns exemplos inovadores de cidades que se destacaram e transformaram as comunidades democratizando o acesso à tecnologias sustentáveis.

Curitiba (PR)

Conhecida como a capital da sustentabilidade, Curitiba, localizada no Paraná, ganhou o prêmio de Cidade Mais Inteligente do Mundo em 2023 com o projeto Pirâmide Solar. A construção transformou um antigo aterro sanitário, que operou entre 1989 e 2010, em uma usina solar, capaz de produzir 30% da energia consumida pelo município.

A iniciativa é uma forma de combater e diminuir os efeitos das mudanças climáticas, por meio da produção de energia renovável, gerando uma economia nas contas da prefeitura que será revertida em benefícios à população. 

Além disso, a cidade também conta com programas de limpeza dos rios, a meta anual de plantar 100.000 mudas de árvores pelas ruas - contabilizando, atualmente, 409.000 plantios - e a implementação de transportes coletivos totalmente elétricos. 

As ações têm o objetivo de tornar a cidade neutra em emissões e adaptada ao clima até 2050, de acordo com os objetivos do Acordo de Paris e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Niterói (RJ)

O município fluminense ganhou o Prêmio Cidades Sustentáveis em 2023, na categoria ambiental, com a construção do Parque Orla de Piratininga, uma das maiores iniciativas de soluções baseadas na natureza do país. 

A obra é uma estratégia para recuperar a Lagoa da região, por meio da utilização de jardins filtrantes, que limpam as impurezas das águas pluviais e o esgoto que chega no local, devolvendo águas mais limpas. 

A técnica, que já foi utilizada em diferentes regiões do Brasil, é um exemplo de solução que pode ser aplicada para limpar águas historicamente poluídas.

Belo Horizonte (MG)

O estado mineiro é conhecido pelos grandes investimentos em placas solares, refletindo no bom desempenho da região nos objetivos 7 e 13 de desenvolvimento sustentável, ligados à energia limpa e acessível e à ação contra a mudança global do clima.

Mas além da ampla utilização de energia solar, o território também conta com uma iniciativa que gera eletricidade através do lixo. Com capacidade de atender mais de 13.000 famílias, o empreendimento transformou o aterro de Sabará, localizado na região metropolitana de Belo Horizonte, em uma usina de produção de energia elétrica, possibilitando que 105.000 toneladas de CO2 deixem de entrar na atmosfera por ano. 

Na busca por uma cidade mais sustentável, a obra é um grande avanço ambiental, pois fornece um tratamento adequado e ecológico aos resíduos e, ao mesmo tempo, gera uma energia barata e acessível para a população.

Campinas (SP)

Durante o ano passado, a cidade paulista iniciou uma obra em uma de suas estações de tratamento de esgoto, que passará a ser produtora de água de reúso. Portanto, a água tratada voltará mais limpa aos rios e também poderá ser aproveitada para a lavagem de ruas, regar jardins e auxiliar no combate a incêndio pelo Corpo de Bombeiros. 

Além disso, outra iniciativa relevante em Campinas é a Usina Verde, que aproveita resíduos orgânicos resultantes do tratamento de esgoto, como galhos e outros resíduos de poda de árvores da cidade, para produzir um adubo orgânico de alta qualidade. Esse material é posteriormente comercializado para o cultivo de mudas e plantas, contribuindo para a sustentabilidade local.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Luana Neves
Luana Neves
É estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e estagiária no Nosso Impacto
fotografado por
Luana Neves
voltar ao topo