8.8.2023

Poluição nos rios: iniciativa no Paraná avança em tecnologia para monitorar qualidade da água em tempo real

Parceria entre universidade e comunidade na região de Curitiba permitiu consolidar dados ao longo de uma década

Oferecido por
Escrito por
Da redação
fotografia
Imagem de um rio fluindo através de uma floresta com rochas e árvores.
Foto:
Mitchell Kmetz/ Unsplash

A poluição dos rios é um problema socioambiental crônico no Brasil. De acordo com dados de 2021 da ONG ambientalista SOS Mata Atlântica, apenas 10% dos corpos d'água monitorados pela instituição no país possuem níveis de boa qualidade. A expansão urbana desordenada aliada ao desenvolvimento da indústria e das atividades agrícolas são as principais causas da poluição.

Nos últimos dez anos, o projeto Monitoramento Contínuo de Rio (Moncor), desenvolvido pelo Departamento de Energia Elétrica da Universidade Federal do Paraná (UFPR), investiu no aprimoramento de um método de análise em parceria com comunidades. A intenção do estudo é avançar na tecnologia de monitoramento da água por meio de sensores eletrônicos que apontam, em tempo real, mudanças como temperatura, nível de turbidez e condutividade elétrica da água.

Com esse tipo de informação, torna-se possível agir rapidamente quando necessário. A coleta de informações permite evitar problemas capazes de afetar a qualidade da água e auxiliar em planos de despoluição. Por exemplo, o estudo mostrou que o aumento do índice de água turva pode ser um indicador de esgoto despejado no corpo d’água, característica que poderia ser confundida com o efeito de uma chuva. 

“Estudando as mudanças e as correlações entre esses índices, podemos compreender o que eles significam em conjunto”, explica o professor Eduardo Parente Ribeiro, coordenador do Moncor. 

Para isso, o projeto conta com uma rede de sensores espalhados pelo córrego Tarumã, na Zona Leste de Curitiba. As informações coletadas podem ser acessadas pela internet, em tempo real, por pesquisadores e moradores dos bairros no entorno do Tarumã.

Ao longo de dez anos de monitoramento, o envolvimento da comunidade permitiu a troca de informações valiosas sobre o cotidiano do riacho. Os moradores são colaboradores constantes da pesquisa e essenciais para enviarem relatos sobre alterações no rio, como o cheiro e a presença de espuma, entre outras variações. 

Para ampliar as análises de indicadores, o projeto estuda levar uma segunda operação para o córrego Aviário, que faz parte da bacia do rio Belém — que reúne os rios mais poluídos de Curitiba — e corta o Centro Politécnico da UFPR. Além disso, os pesquisadores estão desenvolvendo kits de monitoramento com sensores e de baixo custo. 

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Da redação
Da redação
O Nosso Impacto é uma plataforma de comunicação sobre a relação das pessoas com o meio ambiente.
fotografado por
Da redação
voltar ao topo