18.9.2023

Cientistas desenvolvem concreto sustentável com resíduo vegetal da Amazônia

A polpa do fruto do murumuru gera renda para comunidades nativas e alimenta indústrias nacionais e multinacionais

Escrito por
Agência Bori
fotografia
TEXTO originalmente publicadO em
Imagem de concreto sustentável.
Foto:
Mileno Souza/ Acervo UFPA
Concreto sustentável foi desenvolvido por cientistas, agregado conta com cinzas do murumuru.

Nativo da floresta amazônica, o murumuru, até então muito usado para a produção de cosméticos, pode ser uma alternativa para a construção civil na busca por estruturas mais leves e com maior impermeabilidade do concreto.

As cinzas da casca da semente da planta podem ser misturadas ao cimento e gerar um concreto mais sustentável. É o que mostra estudo do Núcleo de Desenvolvimento Amazônico em Engenharia da Universidade Federal do Pará (UFPA), em parceria com o Instituto Federal do Pará (IFPA) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), publicado na sexta (15) na “Revista IBRACON de Estruturas e Materiais”.

Esse material, que antes seria descartado, caracterizando um desperdício, passou por um processo químico em um forno convencional para redução da massa, uma prática comum na região amazônica.

Depois, o resíduo foi triturado e peneirado. A massa obtida passou por análises físico-mecânicas, mineralógicas e químicas para que fosse reaproveitada integralmente.

As análises concluíram que, com o acréscimo de um aditivo plastificante, o material pode substituir parcialmente o cimento para a produção de um concreto com maior durabilidade e melhores propriedades físicas, gerando benefícios para o planeta e para a construção civil.

Entre os benefícios do concreto sustentável temos a diminuição dos poros da estrutura deixando-a mais impermeável e a redução de seu peso.

Para Milleno Souza, mestre em Engenharia de Infraestrutura e Desenvolvimento Energético da UFPA e autor do estudo, “o material auxilia na produção de um concreto mais leve e ecologicamente correto, diminuindo as emissões de gás estufa, economizando recursos naturais e evitando a disposição inadequada do resíduo ou a queima que resulta em mais poluentes”.

O pesquisador comenta que os planos são buscar resultados ainda mais amplos. “Vamos fazer outras análises físico-químicas que não foram possíveis nessa pesquisa, além de verificar outros tipos de dosagem de concreto para esse resíduo amazônico”.

A eficiência verificada nos resultados demonstra o potencial das cinzas da casca do murumuru. O estudo pode incentivar a busca por concretos mais sustentáveis com resíduos agroindustriais, minimizando também o descarte incorreto dos materiais utilizados pelas construtoras e ampliando as ofertas de produtos ecologicamente corretos.

Gostou das histórias que você viu por aqui?

Inscreva-se para ficar sempre em dia com o melhor do nosso conteúdo
No items found.
escrito por
Agência Bori
Agência Bori
A Bori é um serviço para a imprensa que conecta a ciência brasileira a jornalistas de todas as áreas de cobertura
fotografado por
Agência Bori
voltar ao topo